Kinguio

Home ] Up ] Aquários ] Água do Aquário ] Doenças ] Plantas ] Algas ] Alimentação ] [ Kinguio ] Anedotas Peixes ] Peixes Tropicais ]

 

Kinguio - existe MUITO mais espécies do que as mostradas aqui

Peixes de água doce
 

KINGUIO (Carassius auratus)

bulletOrigem: China.
bulletComprimento máximo: 30 cm (em liberdade).
bulletFamília: Ciprinídeos
bulletReprodução: ovíparo.
bulletpH: neutro (7,0).
bulletTemperatura: 5 a 25 º C.
bulletAquário: médio a grande.
bulletComportamento: pacífico.
 

Sem sombra de dúvidas, os Kinguios ( Carassius auratus ) são facilmente os peixes ornamentais mais conhecidos por todo o mundo. A sua popularidade espalha-se hoje por todos os continentes. São peixes que fazem parte do nosso quotidiano e podem ser vistos em desenhos animados, filmes, roupas, comerciais e em gravuras e artes dos mais diversos tipos.

Coloridos e brincalhões, estão sempre em movimento, mexendo no fundo do aquário a procura de comida, fazendo sua bagunça característica. São peixes bastante sociáveis, que podem ser mantidos em aquários comunitários com diversas espécies de peixes, como Molinésias, Platys, Espadas, Barbos e Coridoras. Como são peixes relativamente lentos e com grandes barbatanas, deve-se evitar mantê-los com peixes de tendência mais agressiva.



Origem e História


Também chamado de Japonês e Peixe-dourado (goldfish), o Kinguio teve a sua origem na China. Os primeiros registros sobre este peixe datam do período compreendido entre as dinastias Chun (265- 419 d.C.), quando foi descrita a coloração dourada pela primeira vez, e dinastia Tang (618-907 d.C.). São uma espécie domesticada da Carpa "Gibel", de cor predominantemente verde-oliva, mas que pode apresentar outras cores e formas, porém em escala bastante reduzida.

Inicialmente as Carpas Gibel eram criadas nos mosteiros budistas, que as colocavam nos chamados "Go" (tanques). Alguns séculos mais tarde, o imperador chinês Zhao Gou construiu vários jardins na cidade de Hang Zhou onde foram colocadas inúmeras carpas trazidas de todas as regiões da China. Isto possibilitou a ocorrência de diversos cruzamentos que originaram os primeiros Kinguios brancos e vermelhos, assim como algumas variações hoje conhecidas.

Foi na dinastia Ming, porém, que a criação dos Kinguios teve um grande desenvolvimento. Neste período, os peixes passaram a ser criados também dentro de casa, em "aquários" sem visão lateral, que permitiam que os peixes fossem vistos apenas por cima. A criação nestes "aquários" possibilitou a selecção e a sobrevivência de espécies que antes não tinham condições de sobreviver nos tanques. Originaram-se então os Kinguios que hoje conhecemos por Red Cap, Telescópio, Cauda-de-foguete,  Cálico e Ovo (sem barbatana dorsal), entre outros.

A dedicação e a devoção dos chineses aos Kinguios era reflectida na arte, na poesia e na literatura. Esculturas de jade e pinturas em papel de arroz constantemente traziam as imagens dos Kinguios. Em 1596 publicou-se então o primeiro "Ensaio sobre Kinguios", uma literatura especialmente dedicada a estes peixes.

Foram exportados para o Japão por volta de 1610, onde os japoneses passaram a desenvolver diversas técnicas de reprodução, originando novas variedades como o Oranda, o Celestial, o Pompom e o Shubunkin (ou Brocado Vermelho).

Logo após chegarem ao Japão, os Kinguios também desembarcaram na Europa e causaram grande admiração. Conta-se que o rei francês Luiz XV frequentemente os oferecia de presente à sua amante, a marquesa de Pompadour (maluco - era só RAMBOIADA !).

Actualmente os Kinguios são criados em escala comercial no mundo todo, em grandes volumes. Apenas uma quinta em Maryland, nos Estados Unidos, chega a produzir 5 milhões de Kinguios anualmente.



Reprodução



No nosso clima, o período reprodutivo inicia-se nos meses de Março ou Abril, com a chegada da primavera. Nesta época a diferenciação entre machos e fêmeas é mais fácil. As fêmeas costumam apresentar o ventre mais volumoso e o macho mostra pequenos pontos brancos, semelhantes a grãos de areia, principalmente em redor do opérculo (estrutura que protege as brânquias), e também nas barbatanas peitorais e na cabeça. Estas saliências são chamadas de "órgãos de pérola" e são utilizadas pelo macho para estimular a fêmea durante a corte (pois como diz o ditado : se não estimula, não cúpula) .

Para a reprodução dos Kinguios em aquários, é importante um volume de água de pelo menos 80 litros, onde serão colocados dois machos e uma fêmea. Para garantir um maior percentual de ovos fecundados, a altura da coluna de água deve ser de 25 a 30 cm, com temperatura entre 22 e 24 º C e pH entre 6,8 e 7,5. A colocação de plantas flutuantes como Aguapé e Alface d'água é fundamental, uma vez que é nas suas raízes que ficarão os ovos aderidos.

A desova geralmente ocorre no início da manhã. Neste momento os peixes tornam-se bastante agitados e o macho tenta a todo custo levar a fêmea para a superfície, próximo às plantas flutuantes. A fêmea começa então a liberar os óvulos, que ficam aderidos às raízes e folhas das plantas flutuantes, onde os machos se encarregam de fecundá-los. Este ritual pode durar algumas horas e uma fêmea de Kinguio pode liberar de 500 a 1000 óvulos por desova.

Uma vez encerrada a desova, os reprodutores devem ser removidos do aquário para evitar que comam os ovos ou os filhotes. Pode-se também manter os peixes e remover a vegetação com os ovos para outro aquário, com características de água idênticas ao aquário onde estavam.

Os ovos fecundados são transparentes e apresentam dois pontinhos pretos, justamente os olhos dos peixinhos. O tempo entre a desova e a eclosão dos ovos depende principalmente da temperatura e da qualidade da água, podendo variar de 3 a 10 dias.

Ao nascerem os alevinos ainda possuem reserva de alimento (saco vitelino) que será consumida nas primeiras 48 horas. Passado este período, os alevinos deverão ser alimentados com infusórios e também com o alimento microfloculado.  Após cerca de 20 dias, podem também comer Artémias e Pulgas d'água. Passados mais 30 dias, já podem ser alimentados com outros alimentos em floco . Completados 2 meses de vida, a alimentação deve ser alternada entre os alimentos floculados e os granulados flutuantes.



Dicas



Os Kinguios não são peixes muito exigentes, mas recomenda-se que o aquário tenha um bom sistema de filtragem, de preferência combinando filtragem biológica com mecânica. É interessante optar por um cascalho de maior granulometria, para evitar que os peixes revirem com facilidade o fundo do aquário, deixando a água turva. Por serem peixes de água fria, não há necessidade de aquecimento da água do aquário no inverno, porém no verão deve-se ter o cuidado de não deixar a temperatura da água ultrapassar os 28ºC.

Condicionar a água do aquário é muito importante, pois isto reforça as defesas naturais dos peixes, combatendo o stress e tornado-os mais resistentes às doenças. Trocas parciais de água, com sifonagem de fundo, são recomendadas para garantir a qualidade da água e a saúde dos peixes.

Os Kinguios atingem em média 15 cm de comprimento e podem viver entre 5 e 10 anos. Todavia existem relatos de Kinguios que chegaram a medir 30 cm de comprimento e de outros que viveram por 70 anos.

 

Raças:

Cabeça de leão ou Lionhead: possui uma carapaça gelatinosa que envolve a cabeça e não possui barbatana dorsal. Possui imensa variação de cores;

Olho de bolha ou bubble eye: possui bolhas de fluídos corporais localizadas abaixo dos olhos e não possui barbatana dorsal. É um dos mais exóticos.

Celestial: os seus olhos lembram o do telescópio, só que são inclinados para a superfície. Encontram dificuldade em achar comida.

Telescópio: possuem os olhos saltados para fora e uma grande variação de cores.

Oranda: possui uma carapaça gelatinosa à volta da cabeça, podendo até encobrir os olhos, tornando-os invisíveis.

Ryukin: possui uma corcunda e uma cabeça afilada e é considerado um dos mais belos da espécie.

Existem mais de 100 raças de kinguios resultantes de séculos de cruzamentos dos chineses e japoneses.